Que tribunal gasta mais dinheiro para julgar um processo?

Quanto custa para o contribuinte brasileiro o julgamento de um processo judicial?

Depende. Quem paga impostos no Piauí arca com R$ 4.054,15 a cada processo da Justiça estadual. Com o mesmo valor, magistrados em Sergipe julgam quatro vezes mais.

Os dados foram compilados pelo Centro de Pesquisas sobre o Sistema de Justiça brasileiro (CPJus) do Instituto Brasiliense de Direito Público (IDP). Revelam em que tribunais a gestão dos recursos públicos vai bem e onde o dinheiro disponível é mal gasto.

Em 2013, o custo médio do processo era de R$ 2.369,73. A Justiça Estadual conseguiu os melhores resultados: um custo de R$ 1.795,71. Na Justiça Federal, os gastos por processo foram de R$ 2.063,39. A Justiça do Trabalho, apresentou o valor mais elevado: R$ 3.250,08.

Evolução

A pesquisa mostra que, em termos nacionais, o custo médio por processo julgado caiu 6,8%, passando de R$ 2.542,29, em 2010, para R$ 2.369,73, em 2013.

Movimento contrário foi identificado na Justiça Estadual. Em quatro anos, o custo subiu 8%: passou de R$ 1.662,44, em 2010, para R$ 1.795,71, em 2013.

A Justiça do Trabalho, apesar dos dados mais elevados globalmente, conseguiu reduzir seus custos. Os R$ 3.250,08 gastos por processo são 12% menores que o dado registrado em 2010.

O custo médio por processo é calculado dividindo-se a despesa total da Justiça pelo total de processos baixados. Os dados são coletados em pesquisas oficiais promovidas pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) – Justiça em Números e o Relatório de Portes dos Tribunais em Tecnologia da Informação e Comunicação.

Matéria completa em: http://jota.info/que-tribunal-gasta-mais-dinheiro-para-julgar-um-processo

Os melhores e os piores tribunais estaduais em termos de gestão

Um ranking feito a partir de dados oficiais pelo Centro de Pesquisas sobre o Sistema de Justiça brasileiro (CPJus) – do Instituto Brasiliense de Direito Público (IDP) – mostra que o Tribunal de Justiça do Piauí é o pior do País em termos de gestão.Em seguida, na parte de baixo desse ranking, estão o TJ da Bahia (26º), TJ de Roraima (25º) e TJ de Tocantins (24º). Os primeiros colocados são o TJ do Rio Grande do Sul (1º), o TJ de Goiás (2º) e o TJ do Amazonas (3º).O índice é calculado a partir de dados oficiais do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) relativos às despesas com recursos humanos, custo médio por processo, arrecadação de recursos, percentual de cargos de magistrados ocupados, de servidores, investimentos em tecnologia, taxa de congestionamento, índice de atraso e outros indicadores.Isolando-se os três parâmetros usados para definir o ranking dos tribunais, o TJ do Piauí está mal colocado em todos. A gestão dos processos coloca o tribunal na última colocação; em termos de gerenciamento orçamentário, o TJ-PI é o 4o mais mal colocado; e na gestão de recursos (humanos e tecnológicos), é o penúltimo colocado.De 2010 a 2013, a maior evolução foi registrada no Tribunal de Justiça do Amazonas. Em 2011, o TJ-AM aparecia em 24º no ranking geral. Conforme os últimos dados disponíveis, de 2013, o TJ subiu para a 3ª colocação no ranking dos melhores tribunais.Para calcular o índice de gestão orçamentário, são levados em consideração despesas com recursos humanos na comparação com o total das despesas do tribunal, custo médio dos processos e a comparação entre receitas e gastos.O índice de gestão de recursos envolve a quantidade de cargos de magistrados ocupados, percentuais de servidores efetivos e das áreas judiciárias, dados sobre tecnologia e taxa de equalidade processual, uma comparação entre percentuais de processos por servidor e por magistrados na primeira e segunda instâncias.A conta sobre gestão de processos tem como fatores a taxa de congestionamento do tribunal, o tempo que o tribunal levaria para julgar os casos pendentes, o percentual da demanda que foi finalizado em relação aos processos que ingressaram e a produtividade por magistrado e por servidor.Fonte: http://jota.info/os-melhores-e-os-piores-tribunais-estaduais-em-termos-de-gestao

Justiça brasileira tem 63% dos processos parados

Minnesota Vikings Team Logo Screen Protector For iPhone 5, wholesale nfl jerseys from china,Men’s Tampa Bay Buccaneers Pro Line Red Big & Tall Grayton Hoodie, wholesale nfl jerseys from china,Womens Pittsburgh Steelers ’47 Brand Black Pep Rally Pants.Apesar das políticas do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) para informatizar os tribunais e assim agilizar os processos, as taxas de congestionamento nas Justiças Federal, Estadual e do Trabalho continuam elevadas. Em 2013, 63,4% dos processos estavam congestionados nessas três esferas – aumento de 1,4% em relação ao ano de 2012 – é o que revela a quarta edição do Índice de Desempenho da Justiça (IdJus) divulgado ontem. Para zerar esse estoque o Judiciário precisaria de dois anos. O percentual vai de encontro com o resultado obtido pela área de tecnologia, que apresenta o melhor desempenho com índice de 73,4 (no máximo de 100), o que demonstra que houve esforços para informatizar os tribunais.

Mas a informatização, prevista em resolução de 2009 do CNJ, não é suficiente para destravar o Judiciário. Ainda são necessários aprimoramentos na produtividade dos magistrados e servidores, que passou de 39,6 para 37, e na gestão orçamentária, que apresenta um índice tímido: 46. Em média, cada magistrado baixa 1.766 processos, já os servidores, 142. Para o ministro do Supremo Tribunal Federal e ex-presidente do conselho, Gilmar Mendes, os tribunais precisam se atentar mais a esses fatos para diminuir a taxa de congestionamento:
— Às vezes os tribunais não reparam nesses elementos e acabam optando por aumentar, por exemplo, a Vara, o número de juízes e desembargadores, ao invés de cuidar da questão da melhoria da produtividade. Antes de sair da solução de ampliar vagas, criar novas Varas, tem que se ver qual é a produtividade.

Outro gargalo está na alocação dos funcionários: enquanto na 2ª instância há 61 processos por servidor, na 1ª instância essa proporção é de 100 para um. Como consequência, a taxa de congestionamento no primeiro grau foi de 77% em 2013, no segundo grau esse percentual foi de apenas 47,2%.

O levantamento foi elaborado pelo Instituto Brasileiro de Direito Público (IDP) a partir de dados disponíveis no CNJ e levou em consideração 20 indicadores, como despesas com recursos humanos, custo médio de um processo e produtividade tanto do magistrado quanto do servidor. Nos critérios estabelecidos, concluiu-se que o índice geral da Justiça brasileira segue na média, embora tenha sofrido uma ligeira queda em relação ao ano de 2012, passando de 52 para 51,3.

Na Justiça Estadual, o melhor resultado, num ranking geral, ficou com o Tribunal Regional do Rio Grande Sul, com 55,8. O pior entre as 27 unidades da federação ficou com o Tribunal de Justiça do Piaui (TJPI) com 33,9. O Rio caiu do terceiro para o sexto lugar, ficando com IdJus de 53,4.

O tribunal mais bem posicionado na Justiça Federal foi o da 5ª Região (Alagoas, Ceará, Paraíba, Rio Grande do Norte e Sergipe), que ficou com o índice de 64,6, enquanto o TRF da 1ª Região (Acre, Amazonas, Amapá, Bahia, Distrito Federal, Goias, Maranhão, Minas Gerais, Mato Grosso, Pará, Piaúi, Rondônia, Roraima e Tocantins) apresentou o menor resultado: 52,1.

Na Justiça do Trabalho, o TRT da 3ª Região (Minas Gerais) teve o melhor resultado: 54,6. O pior índice ficou com o da 14ª Região (Rondônia e Acre), com 41,5. Já o TRT da 1ª Região (Rio de Janeiro) ficou na quarta posição com índice de 51,8.

De acordo com a pesquisa, o custo médio de um processo no país é de R$ 2.369,73. Esse valor varia conforme a esfera da justiça. A Justiça do Trabalho é a mais cara, com custo médio de R$ 3.250,08. A média na Justiça Estadual é de R$ 1.795,71, sendo o TJPI o que tem o maior custo: R$ 4054. O Tribunal de Justiça do Sergipe (TJSE) registrou o menor gasto médio com R$1.106. No âmbito da Justiça Federal, o custo apurado foi de R$2.063,39.

Fonte: http://www.institutomillenium.org.br/blog/justia-brasileira-tem-63-dos-processos-parados/

TRF5 fica em 1º lugar no Índice de Desempenho da Justiça

New Era Chicago Bears NFL Training Skull Performance Headband – Black, Cheap Jerseys free shipping,Men’s San Diego Chargers Majestic Navy Hot Read Full-Zip Hoodie., Cheap Jerseys chinaO Tribunal Regional Federal da 5ª Região – TRF5 receberá, nesta segunda-feira (29/06), em Brasília, o 1º lugar, na categoria desempenho, do 4º Prêmio IDJus – Índice de Desempenho da Justiça, concedido pelo Instituto Brasiliense de Direito Público (IDP), por ter sido o Tribunal de melhor desempenho funcional do País no ano de 2013, com índice de 64,6, de acordo com um estudo feito pelo IDP. A premiação será entregue ao presidente do TRF5, desembargador federal Marcelo Navarro.

Para Navarro, o reconhecimento é fruto da atuação de todos que compõem a Justiça Federal na 5ª Região: magistrados, servidores, Ministério Público Federal e advogados públicos e privados. “Existe toda uma comunidade jurídica que contribui com o Tribunal para esse sistema jurídico vitorioso, que tem dado aos jurisdicionados dos seis estados que compõem a 5ª Região [Alagoas, Ceará, Paraíba, Pernambuco, Rio Grande do Norte e Sergipe] uma Justiça célere, de qualidade e preocupada com os valores humanos e sociais”, avalia.

Segundo o estudo, divulgado em março de 2015 e elaborado com base nos dados do relatório “Justiça em Números”, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), o Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJRS) ficou em 2º lugar, com índice de 55,8, e, em 3º lugar, o Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região (TRT-Minas Gerais), com índice de 54,6. A pesquisa levou em consideração três dimensões básicas da administração judiciária: gestão orçamentária (despesas e receitas), gestão de recursos (recursos humanos e tecnologia) e gestão de processos (litigiosidade e produtividade).

O 4º Prêmio IDJus integra a programação do 3º Seminário “Desempenho da Justiça: Diagnóstico e Desafios”, evento realizado com o apoio do Centro de Estudos Judiciários do

Conselho da Justiça Federal (CJF), que contará com a participação de ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e conselheiros do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), entre outras autoridades, para apresentar os resultados em questão e avaliar os indicadores do desempenho como instrumentos de gestão do Poder Judiciário.

IDJus – O grau de desempenho de cada segmento da Justiça – Estadual, Federal e do Trabalho – foi medido pelo Índice de Desempenho da Justiça (IDJus), desenvolvido pelo Centro de Pesquisas sobre o Sistema de Justiça Brasileiro (CPJus), com intuito de contribuir para o desenvolvimento das instituições judiciárias. Como outros indicadores, o IDJus varia entre 0 e 100.

O IDJus é desenvolvido há quatro anos pelo IDP, e tem como objetivo produzir diagnósticos mais precisos sobre o desempenho judicial no Brasil, além de auxiliar os tribunais nos processos de melhoria da prestação jurisdicional, apontando os pontos positivos e oferecendo um norte para o aprimoramento contínuo.

Em sua quarta edição, o IDJus apresentou uma análise comparativa inédita da série histórica relativa aos dados de 2010, 2011, 2012 e 2013. Esse diagnóstico permite conhecer tendências e ter uma visão integral – não alcançada por nenhum outro instrumento de mensuração – dos vários aspectos de funcionamento da Justiça. Sob essa análise, a Justiça Federal apresentou o melhor desempenho no último triênio, em comparação com os demais segmentos.

Todos os resultados obtidos, inclusive versões anteriores do índice, estão disponíveis na página do CPJus: http://cpjus.idp.edu.br/idjus/

Fonte: http://www.parlamentopb.com.br/Noticias/?trf5-fica-em-1-lugar-no-indice-de-desempenho-da-justica-29.06.2015

Judiciário gaúcho é premiado por sua produtividade

O presidente do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJ/RS), José Aquino Flôres de Camargo, recebeu nesta segunda-feira ( 29/6) o prêmio concedido pelo Instituto Brasiliense de Direito Público (IDP) na categoria Justiça Estadual. Pelo segundo ano consecutivo o Judiciário gaúcho foi considerado o mais produtivo do Brasil.A entrega do prêmio foi feita pelo ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, na sede do IDP, em Brasília. O evento integra o 3º Seminário sobre o Desempenho da Justiça: Diagnóstico e Desafios IDJus – 4ª Edição.O resultado da premiação foi obtido a partir do IDJus – Índice de Desempenho da Justiça – que mede o grau de desempenho da Justiça, a partir de dados fornecidos pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), visando a contribuir para o aprimoramento das instituições judiciárias.O IDJus e o levantamento Justiça em Números, elaborado pelo CNJ, são considerados os mais importantes diagnósticos de desempenho do Poder Judiciário.A aferição do Índice de Desempenho da Justiça é elaborada com base em três dimensões: gestão orçamentária, gestão de recursos e gestão de processos. Os temas analisados envolvem despesas, receitas, recursos humanos, tecnologia, litigiosidade e produtividade.O presidente Aquino afirmou que a conquista reitera a dedicação e a criatividade que caracteriza o quadro do Poder Judiciário do Rio Grande do Sul. “O aumento vertiginoso da demanda processual não é fator de acomodação para nossos servidores e magistrados, sempre incansáveis na busca de soluções para o aperfeiçoamento da prestação jurisdicional”. O magistrado lembrou ainda da manutenção de práticas modernas e profissionais de gestão ao longo das diversas Administrações.O desembargador José Aquino Flôres de Camargo enfatiza que o Poder Judiciário tem buscado alternativas financeiras para racionalizar recursos. “Prova disso são as receitas próprias, que cresceram de 8,76% do total do orçamento em 2007, para 20,67%, em 2014. Isso é resultado de um conjunto de medidas voltadas à otimização de rotinas e modernização de práticas já existentes”, exemplifica.Fonte: http://www.ajuris.org.br/2015/06/29/20690/

Presidente do TRF5 recebe premiação de Tribunal com melhor Índice de Desempenho da Justiça (IDJus)

OWomen’s New York Giants Nike Royal Blue Football Legend V-Neck Performance T-Shirt,Miami Dolphins 6’’ x 12’’ Repositionable Helmet Decal, wholesale nfl jerseys from china,Toddler Chicago Bears Navy Blue Team Logo Fleece Pullover Hoodie., wholesale nfl jerseys presidente do Tribunal Regional Federal da 5ª Região, desembargador federal Marcelo Navarro, recebeu nesta segunda-feira (29), em Brasília, a premiação de  1º lugar, na categoria desempenho, do 4º Prêmio IDJus – Índice de Desempenho da Justiça, concedido pelo Instituto Brasiliense de Direito Público (IDP).

O TRF5 foi o Tribunal de melhor desempenho funcional do País no ano de 2013, com índice de 64,6, de acordo com um estudo feito pelo IDP. Marcelo Navarro recebeu o troféu das mãos do ministro do STJ João Otávio Noronha.

A entrega da premiação ocor reu dentro da programação do 3º Seminário “Desempenho da Justiça: Diagnóstico e Desafios”, evento realizado com o apoio do Centro de Estudos Judiciários do Conselho da Justiça Federal (CJF), e contou com a participação de ministros dos tribunais superiores, conselheiros do CNJ, entre outras autoridades.

Para Marcelo Navarro, o reconhecimento é fruto da atuação de todos que compõem a Justiça Federal na 5ª Região: magistrados, servidores, Ministério Público Federal e advogados públicos e privados. “Existe toda uma comunidade jurídica que contribui com o Tribunal para esse sistema jurídico vitorioso, que tem dado aos jurisdicionados dos seis estados que compõem a 5ª Região (Alagoas, Ceará, Paraíba, Pernambuco, Rio Grande do Norte e Sergipe) uma Justiça célere, de qualidade e preocupada com os valores humanos e sociais”, avalia o presidente do TRF5.

Fonte: http://jurinews.com.br/2015/06/29/presidente-do-trf5-recebe-premiacao-de-tribunal-com-melhor-indice-de-desempenho-da-justica-idjus/

3º Seminário sobre o Desempenho da Justiça: Diagnóstico e Desafios apresenta 4ª edição do IDJus – Dia 29 de junho em Brasília/DF

O 3º Seminário sobre o Desempenho da Justiça: Diagnóstico e Desafios será promovido pelo Instituto Brasiliense de Direito Público – IDP no dia 29 de junho, durante o período matutino, e apresentará a 4ª edição do Índice de Desempenho da Justiça – IDJus.Publicado desde 2012, a edição atual do IDJus apresentará os dados relativos ao IDJus 2013, bem como uma análise comparativa dos dados obtidos desde 2010.Tal Índice busca, por meio de dados estatísticos extraídos da base “Justiça em Números” e do Relatório de Portes dos Tribunais em Tecnologia da Informação e Comunicação, ambos do Conselho Nacional de Justiça – CNJ, promover o conhecimento de tendências e uma visão integral do Poder Judiciário, a fim de diagnosticar problemas estruturais que venham a impedir avanços no sistema.Além da apresentação do 4º IDJus, o Seminário contará com painéis de debate com professores, autoridade do Poder Judiciário, representantes do setor privado e jornalistas, que abordarão a qualidade do Judiciário e a importância dos indicadores.Fonte: http://emporiododireito.com.br/3o-seminario-sobre-o-desempenho-da-justica-diagnostico-e-desafios-apresenta-4a-edicao-do-idjus-dia-29-de-junho-em-brasiliadf/

3º Seminário sobre o Desempenho da Justiça: Diagnósticos e Desafios

ODetroit Lions Toddler Polo Dress – Light Blue, Cheap Jerseys free shipping,Men’s Denver Broncos New Era Gray/Orange Grand Redux Original Fit 9FIFTY Adjustable Hat., Cheap Jerseys from china Instituto Brasiliense de Direito Público (IDP) realiza, no dia 29 de junho, no auditório do Conselho da Justiça Federal (CJF), o 3º Seminário sobre o Desempenho da Justiça: Diagnósticos e Desafios. O encontro, que acontecerá das 8h30 às 18h, é voltado para servidores e magistrados das Justiças Estadual, Federal e do Trabalho e para pesquisadores, estudantes e estagiários.
A abertura do seminário será realizada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes, que é coordenador do Conselho Científico do Centro de Pesquisas sobre o Sistema de Justiça Brasileiro (CPJus) do IDP, e pelo ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Jorge Mussi, corregedor-geral da Justiça Federal e diretor do Centro de Estudos Judiciários do CJF.
O evento tem o objetivo de estimular novos pontos de vista sobre problemas que afetam o Judiciário e a prestação jurisdicional e de fomentar a cultura de mensuração e acompanhamento de indicadores. Estudiosos das áreas de Direito, Economia, Ciências Sociais e Gestão compartilharão seus conhecimentos e boas práticas. Na ocasião, serão apresentados os últimos resultados do Índice de Desempenho da Justiça (IDJus) e os tribunais com melhor desempenho, premiados.
A quarta e última versão do IDJus revelou que a Justiça, como um todo, vem melhorando, mas lentamente. O índice ficou em de 51,3 numa escala de 100 pontos. Segundo a pesquisa, a maior contribuição para o avanço contínuo veio da Gestão de Recursos Humanos e Tecnológicos, em especial a de Tecnologia, que alcançou 73,3 pontos. Já o que mais impacta os jurisdicionados, a Gestão de Processos, teve o pior rendimento: 42,9. A Gestão Orçamentária, que apoia e fortalece as outras dimensões, teve crescimento contínuo durante os quatro anos da pesquisa, chegando a 46,1.
As inscrições para o 3º Seminário sobre o Desempenho da Justiça: Diagnósticos e Desafios vão até o dia 25 de junho e devem ser feitas no Portal do CJF, (www.cjf.jus.br) em eventos, onde também está disponível a programação completa.

Fonte: http://justicaemfoco.com.br/desc-noticia.php?id=105363

TRF-5 obtém o melhor desempenho funcional do país no 4º Prêmio IDJus

NNewborn Girls Pittsburgh Steelers Black Dream Job Bodysuit,Men’s Detroit Lions Majestic Blue Critical Victory T-Shirt, cheap nfl jerseys,Denver Broncos Frosted Pint Glass., wholesale nfl jerseysa próxima segunda-feira (29/06), o Tribunal Regional Federal da 5ª Região receberá, em Brasília, o 1º lugar na categoria desempenho do 4º Prêmio Índice de Desempenho da Justiça (IDJus).

A corte obteve o melhor desempenho funcional do país no ano de 2013, com índice de 64,6 de acordo com um estudo feito pelo Instituto Brasiliense de Direito Público (IDP). O Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul ficou em 2º lugar, com índice de 55,8, e, em 3º lugar, o Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região, com índice de 54,6.

O resultado vem de um levantamento, divulgado em março de 2015 e elaborado com base nos dados do relatório “Justiça em Números”, do Conselho Nacional de Justiça. A pesquisa levou em consideração três dimensões básicas da administração judiciária: gestão orçamentária (despesas e receitas), gestão de recursos (recursos humanos e tecnologia) e gestão de processos (litigiosidade e produtividade). Como outros indicadores, o IDJus varia entre 0 e 100.

A premiação será entregue ao presidente do TRF-5, desembargador federal Marcelo Navarro. Para ele, o reconhecimento é fruto da atuação de todos que compõem a Justiça Federal na 5ª Região: magistrados, servidores, Ministério Público Federal e advogados públicos e privados.

“Existe toda uma comunidade jurídica que contribui com o Tribunal para esse sistema jurídico vitorioso, que tem dado aos jurisdicionados dos seis estados que compõem a 5ª Região [Alagoas, Ceará, Paraíba, Pernambuco, Rio Grande do Norte e Sergipe] uma Justiça célere, de qualidade e preocupada com os valores humanos e sociais”, avalia o desembargador.

O 4º Prêmio IDJus integra a programação do 3º Seminário “Desempenho da Justiça: Diagnóstico e Desafios”, evento feito com o apoio do Centro de Estudos Judiciários do Conselho da Justiça Federal.

O encontro contará com a participação de ministros do Supremo Tribunal Federal e conselheiros do Conselho Nacional de Justiça, entre outras autoridades, para apresentar os resultados em questão e avaliar os indicadores do desempenho como instrumentos de gestão do Poder Judiciário. Com informações da Assessoria de Imprensa do TRF-5.

Fonte: http://www.conjur.com.br/2015-jun-27/trf-obtem-melhor-desempenho-funcional-pais-premio-idjus

Tribunal Regional Federal tem o melhor desempenho de Justiça do país

O TrMen’s Seattle Seahawks Nike College Navy Sideline Full-Zip Performance Hoodie, wholesale jerseys from china,Men’s Oakland Raiders New Era Black On-Field Low Crown 59FIFTY Fitted Hat., Cheap Jerseys free shippingibunal Regional Federal da 5ª Região – TRF5 recebeu, nessa segunda-feira, em Brasília, o 1º lugar na categoria desempenho do 4º Prêmio Índice de Desempenho da Justiça (IDJus), concedido pelo Instituto Brasiliense de Direito Público (IDP). A instituição foi agraciada por ter sido o tribunal de melhor desempenho funcional do país em 2013, com índice de 64,6, de acordo com um estudo feito pelo IDP. A premiação será entregue ao presidente do TRF5, desembargador federal Marcelo Navarro.

Para Navarro, o reconhecimento é fruto da atuação de todos que compõem a Justiça Federal na 5ª Região: magistrados, servidores, Ministério Público Federal e advogados públicos e privados. “Existe toda uma comunidade jurídica que contribui com o Tribunal para esse sistema jurídico vitorioso, que tem dado aos jurisdicionados dos seis estados que compõem a 5ª Região [Alagoas, Ceará, Paraíba, Pernambuco, Rio Grande do Norte e Sergipe] uma Justiça célere, de qualidade e preocupada com os valores humanos e sociais”, avalia.

Segundo o estudo, divulgado em março de 2015 e elaborado com base nos dados do relatório “Justiça em Números”, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), o Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJRS) ficou em 2º lugar, com índice de 55,8, e, em 3º lugar, o Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região (TRT-Minas Gerais), com índice de 54,6. A pesquisa levou em consideração três dimensões básicas da administração judiciária: gestão orçamentária (despesas e receitas), gestão de recursos (recursos humanos e tecnologia) e gestão de processos (litigiosidade e produtividade).

O 4º Prêmio IDJus integra a programação do 3º Seminário “Desempenho da Justiça: Diagnóstico e Desafios”, evento realizado com o apoio do Centro de Estudos Judiciários do Conselho da Justiça Federal (CJF), que contará com a participação de ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e conselheiros do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), entre outras autoridades, para apresentar os resultados em questão e avaliar os indicadores do desempenho como instrumentos de gestão do Poder Judiciário.

Fonte: http://www.diariodepernambuco.com.br/app/noticia/vida-urbana/2015/06/30/interna_vidaurbana,583979/tribunal-regional-federal-tem-o-melhor-desempenho-de-justica-do-pais.shtml